Dicas para um mestrado na Finlândia, parte 2: planejamento

Depois de três anos vivendo na Europa, digo sem a menor sombra de dúvida que a coisa que mais mudou em mim foi a capacidade, e até mesmo a necessidade, de planejar. Planejar tudo, desde o que eu vou comer no café da manhã de amanhã ao que eu vou fazer daqui a trinta anos ou mais, quando me aposentar, passando por assuntos mais mundanos como almoços com amigos e viagens de férias.

É um traço forte da cultura do brasileiro a espontaneidade de lidar com a vida. Aqui alguns sentem muita falta disso e reclamam de ter que marcar hora até mesmo para ligar para os amigos para bater um papo descompromissado (atenção, esta última foi um pequeno exagero, mas conheço gente que já fez!). Certamente, a surpresa é parte da vida, e viver com tudo na ponta do lápis pode ser chato para alguns. Mas do ponto de vista pragmático, há muitos benefícios em ter um plano para algumas coisas, pois ajuda a economizar dinheiro e esforço. Em se tratando de algo tão grande como uma mudança para o exterior, não hesito em dizer que é fundamental. Por isso dediquei um post especialmente para convencer os leitores de que é o passo mais importante de todo o processo de conseguir um mestrado aqui na Finlândia.

O que um planejamento deve conter?

O que você quer da vida? Quais são seus motivos para fazer o mestrado fora?

Ter uma educação de qualidade ou apenas para melhorar o currículo? Morar fora do Brasil por um tempo e depois voltar, ou conseguir um emprego e ficar na Finlândia pra sempre? Fazer novos amigos? Aprender uma nova língua e nova cultura?

Pense cuidadosamente sobre essas perguntas, pois elas podem afetar e muito sua escolha de curso e universidade. Por exemplo, se sua ideia é ficar na Finlândia depois de terminar seus estudos, talvez seja uma boa ideia procurar informações sobre cursos que oferecem melhores condições de contratação posteriormente. Se você quer fazer novos amigos, melhor procurar universidades que mantém programas de intercâmbio e têm mais alunos estrangeiros, localizadas em cidades maiores como Helsinki, Tampere e Turku.

Quais são seus pontos fortes e fracos academicamente?

Você descobriu que fazer um curso de Engenharia de Computação em uma universidade técnica é excelente para estrangeiros que querem sair da universidade direto com um contrato na Nokia. Mas você nunca foi uma pessoa muito fã de matemática… Analise bem o perfil do curso para o qual você quer aplicar e veja se tem condições de ser aprovado nele e de seguir o curso até o fim.

Qual é seu estilo de vida? É compatível com o o estilo de vida da cidade pra onde você quer se mudar?

Se você gosta de uma farra noturna, não vá para cidades pequenas no Norte da Finlândia. Helsinki, Tampere e Turku são razoavelmente movimentadas, não sei sobre as outras. Mas quem precisa de uma vida social agitada pode ter problemas em lugares mais remotos.

Para informações sobre a Finlândia e suas cidades, visite o Wikitravel, que é um guia de viagens gratuito, feito por pessoas de todo o mundo.

Quanto custa?

No post (que ainda será escrito) sobre planejamento financeiro, vou detalhar melhor questões sobre custo de vida aqui. Mas antes de entrar em detalhes, você precisa incluir no seu plano inicial também um chute de quanto uma mudança como esta custa. Prepare-se para o cenário pessimista, de que você não vai arrumar um emprego. Isso significa que você precisa ter cerca de 16 mil reais por ano para se manter como estudante aqui, sem luxos. Adicione a isso as passagens de ida e volta para o Brasil uma vez por ano (a passagem tem validade de um ano, se não for usada, é perdida), o que custa entre 2 e 3 mil reais, dependendo da época e do câmbio.

Claro que esse é o pior cenário possível. Existe, sim, a possibilidade de arrumar um emprego aqui. Mas é bom ter uma ideia do tamanho do investimento caso o emprego não venha. E, por outro lado, 20mil reais  é o preço de um carro. Eu, pessoalmente, acho que um mestrado no exterior vale muito mais do que um carro, por isso vendi o Fiesta que eu tinha e me mandei pra cá 😉

Quando consigo ir?

Não adianta querer vir pra Finlândia pra ontem. As inscrições para o mestrado acontecem normalmente uma vez por ano: abrem mais ou menos em novembro e terminam mais ou menos em janeiro ou fevereiro. Fique de olho nas datas de inscrição, e comece a se preparar para fazer a inscrição com pelo menos uns seis meses de antecedência, pois você precisa providenciar traduções, certificados de proficiência em língua inglesa, cartas de recomendação e intenção… Isso significa que você deve começar a se preparar pelo menos um ano antes da data quando você vai começar a estudar pra valer. Leve esse tempo em consideração para planejar sua saída do emprego, por exemplo. Você também pode usar o tempo disponível para tentar estudar a cultura e a língua finlandesa e juntar um dinheirinho.

Seleção do seu curso

Depois que você definiu seus objetivos e identificou possíveis problemas, o custo e a questão do tempo, é hora de partir para o começo da parte mais tangível do seu planejamento.

Visite o site http://finland.cimo.fi/ para uma lista bem completa dos cursos disponíveis em inglês em todas as universidades da Finlândia. Por ali, dá para selecionar os cursos que te interessam. Outro site interessante é o http://www.universityadmissions.fi/.

Visite também a lista das universidades finlandesas disponível na Wikipedia (em inglês). Uma breve visita nas páginas dessas universidades pode ajudar bastante na sua escolha.

Entenda a diferença entre universidades, universidades técnicas e politécnicas na Finlândia (veja também quadro explicativo). Esse entendimento é essencial para alguém que deseja vir, pois implica em grandes diferenças no perfil dos cursos e dos alunos das universidades. Decida em qual perfil você se encaixa melhor. Em poucas palavras, Universidades são voltadas para a pesquisa e universidades técnicas formam engenheiros. As politécnicas são voltadas para o mercado de trabalho.

Com uma lista de cursos que te interessam em mãos, você pode tentar conseguir mais informações sobre a universidade e a cidade. Na Finlândia a cultura de associações sem fins lucrativos é fortíssima. Praticamente todos os cursos têm sua associação oficiais, dedicadas a facilitar a vida acadêmica dos estudantes, promover festas, noites de sauna… As associações de estudantes podem ser uma ótima porta de entrada para você conseguir informações sobre o curso e entrar em contato com quem já está lá. Ao menos nas universidades maiores há inclusive associações de estudantes estrangeiros, como ISOT, Tsemppi, ISTU e outras. Procure por links para as associações na página das universidades, que elas podem ser de grande ajuda para você.

E você? Tem mais alguma ideia de o que o planejamento pré-mestrado deve incluir? Comenta aí! 🙂

Este post é parte da série “Dicas para um mestrado na Finlândia”. Veja os outros textos:

  • Introdução
  • Planejamento
  • Pré-requisitos
  • Planejamento financeiro
  • Burocracia
  • Aplicando para a universidade
  • O visto
This entry was posted in Estudo and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published.