Custo de vida para um estudante na Finlândia

O custo de vida no país onde se deseja morar é uma informação importantíssima para quem está planejando arrumar as malas e se mudar. Aqui estão algumas informações. Mas lembre-se de que esta é apenas a minha experiência. Também não garanto que as informações são corretas e atuais.

Morando na Europa

De maneira geral, a impressão que tenho de morar como estudante ou estagiária na Europa é que, ao contrário do que acontecia comigo no Brasil, é muito fácil prever os custos mensais. Primeiro que você vai ter que vir com um seguro-saúde já pago, e segundo que provavelmente você não vai ter um carro. Esses dois custos eram certamente os vilões do meu planejamento no Brasil. Sabendo exatamente quanto pagar por transporte por mês (eu pago o passe mensal do ônibus) e não precisando me preocupar com gastos médicos, planejar para onde vai o dinheiro vira uma realidade. E sinceramente, é uma das coisas que eu amo aqui na Europa – a sensação de controle sobre a minha vida.

Além disso, outra coisa bem marcante para mim aqui é que parece que todo mundo recebe dinheiro suficiente para o básico e normalmente ainda sobra um pouco para a diversão. Pão e circo garantidos até para o faxineiro, motorista de ônibus e o gari. Aliás, aqui na Finlândia, se esse pessoal recebe por volta de, sei lá, uns 1800 euros por mês, um gerente da Nokia recebe não muito mais que uns 4 mil. Com imposto progressivo, o governo morde muito mais do gerente, claro. O resultado é uma sociedade razoavelmente igualitária, mas onde todo mundo sabe que ninguém fica rico trabalhando.

O que é caro no Brasil é barato aqui – eletrônicos e celular, principalmente. O que é barato no Brasil é caríssimo aqui – comida, álcool, serviços em geral (faxineira, manicure, cabeleireiro). Mas por mais que o custo de vida daqui seja maior do que no Brasil, já que as coisas “básicas” são mais caras, qualquer salário que você receba vai ser suficiente para se manter e ainda sobre um pouquinho para um cineminha de vez em quando.

Na Finlândia

Ser estudante na Finlândia, se você é finlandês, é um sonho. Além de receber por volta de 300 euros por mês como auxílio para estudos por 55 meses e receber 80% do valor do seu aluguel (tem um limite máximo para o valor do aluguel, claro), os estudos são financiados pelo governo e você ganha um carteirinha de estudante que dá preços especiais no almoço nos restaurantes das universidades (por volta de 2,50 euros por refeição), no transporte público (33 euros por mês aqui em Tampere) e 50% de desconto nos ônibus de longa distância e trens no território nacional. Não é de se espantar que aqui estão os funcionários do McDonalds mais bem educados do mundo.

(Os preços abaixo são o que eu observei aqui em Tampere, que é a terceira maior cidade da Finlândia. Em Helsinki, o preço de alojamento, transporte e dos restaurantes certamente é maior, mas creio que não há diferenças significativas de preço em supermercados.)

Mas mesmo para os estrangeiros, estudar aqui é financeiramente viável. Não se paga pela universidade, mesmo que você não seja daqui ou da União Europeia (isso pode estar com os dias contados, mas é assunto para outro post…). Tem-se direito aos mesmos descontos que os finlandeses com a carteirinha de estudante. Os alojamentos de estudante, que oferecem quartos por valores tão baixos quanto 200 euros por mês, também não fazem nenhuma distinção se você é finlandês ou estrangeiro (tirando que normalmente os estrangeiros são alocados em prédios específicos que já contêm os móveis, criando uma espécie de segregação entre intercambistas e finlandeses).

Comida no supermercado aqui é ainda mais cara do que na Suíça, já que tudo é importado ou cultivado em estufas. Durante o verão o preço da comida cai significantemente. Eu sou vegetariana, então imagino que economizo um pouco por não precisar comprar carne no mercado (que também é muito cara por aqui), mas em compensação acabo comprando mais alimentos frescos, que são mais caros do que os congelados. Gasto mais ou menos uns 160 euros por mês com as compras, mais uns 30 a 40 euros almoçando fora, principalmente na universidade.

Nos restaurantes, normalmente uma refeição vegetariana não sai por menos de 15 euros, enquanto um prato com algum tipo de carne deve ser por volta de 20 euros. A não ser, é claro, que o restaurante seja um chinês ou uma pizzaria-kebab. Daí dá para comer bastante por menos de 10 euros. Por causa dos preços relativamente altos dos restaurantes, acabo jantando fora pouquíssimas vezes por mês.

Em resumo, consigo manter minhas despesas básicas mensais por volta de 500 euros. O que é exatamente a quantia que o governo finlandês exige para conceder o visto de estudante para estudantes de fora da UE.

Arrumar um trabalho aqui não é tarefa impossível, mas exige paciência e interesse. Paciência para procurar, interesse em buscar e em aprender alguma coisa da língua finlandesa. Estudantes podem trabalhar, sem necessidade de permissão especial, por até 25 horas semanais (em média) durante o período de aulas (setembro-maio) e período integral nos meses do verão (junho-agosto). Quem trabalha paga a pesada carga de impostos finlandesa, independente de ser estrangeiro ou não. No final das contas, um trabalho razoável paga no mínimo uns 9 euros por hora, o que dá uns 720 euros por mês. Desconte o imposto (ele varia com o que você recebe), que nessa faixa salarial ainda é razoavelmente baixo, e você fica com algo como 670 euros. Suficiente para viver uma vida de estudante 🙂

This entry was posted in Estudo, Vida and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

15 Responses to Custo de vida para um estudante na Finlândia

  1. Anonymous says:

    Olá me chamo e Eduardo,

    Parabéns pelo site e pelos posts! acabei de conhecer e adorei.

    Fui admitido nesta semana para um mestrado em Tampere (Machine Automation na TUT) e estou procurando informações sobre como é viver na Finlândia e em Tampere, especificamente. Eu já morei uma temporada na Alemanha no ano passado e adorei, mas imagino que hajam algumas diferenças importantes a se saber.

     

    Uma dúvida que tenho é sobre a obtensão do visto. Eu li no site da embaixada que eles requisitam que você disponha de no mínimo 500 euros por mês para se manter. Como se prova essa disposição? Na Suécia por exemplo (outro país que eu estou considerando), você tem que depositar em uma conta pessoal a quantia relativa a todo o período dos seus estudos: um equivalente à dois anos, por exemplos seria 24 x 500 euros. Na Finlândia é assim também?

    gostaria de manter contato com você e conhecer mais das suas experiências.

    meu email: é eduardo.carlos.almeida@gmail.com

    • Anonymous says:

      to enviando meu msn, se for possivel e vc guiser gostaria de conversar mas sobre a finlandia. MSN e email > (pamelabittencourt@hotmail.com)

      obs: parabens pelo seu sit

      ass: Pamela Bittencourt 

      grata

      • Anonymous says:

        Seu BLOG e muito bem estruturado e com bastante informacoes interessantes.

        Parabens,

        Gisele

        • Anonymous says:

          Olá,

          Meu nome é Pedro e sou estudante de Licenciatura em Música da UNESP (Universidade Estadual Paulista – Campus São Paulo)

          Estou com ida praticamente certa para a Universidade de Tampere – Finlândia, no segundo semestre de 2011, para ficar quatro meses. A minha universidade me concedeu uma bolsa de 500 euros mensais, além das passagens aéreas e seguro saúde. Porém, caso eu seja aceito definitivamente, este será o valor que terei no total, ou seja, não estou contando com ajuda de parentes e amigos. Mesmo assim, você acha que conseguirei, realmente, me manter com 500 euros por mês? Para TODAS as despesas necessárias?

          Peço seus comentários, desde já obrigado.

          Meu email é: pedrobernardesneto@gmail.com

           

        • maira says:

          Oi Pedro,

          minha experiência é que é, sim, possível viver com 500 euros por mês, desde que você:

          – esteja hospedado em algum dos apartamentos para estudantes, especialmente no TOAS, morando em um apartamento compartilhado;

          – de preferência, arranje uma bicicleta para se locomover na cidade;

          – almoce todos os dias na cafeteria da universidade (2,50e por refeição!);

          – manere na bebida nas saídas com outros estudantes!

          Abraços e boa sorte! Você vai adorar a UTA 🙂

  2. Pingback: Primeiros passos para ir para a Finlândia | Brasilialainen

  3. luciana says:

    ola adorei suas dicas, entre em contato por favor. 🙂

  4. Cássio Oliveira says:

    Olá!

    Será que houveram muitas mudanças da data deste post 2009 até hoje? Imagino que tudo ficou um pouco mais caro… ou não?

    • Maira says:

      Oi Cássio,

      já não estou por lá há algum tempo, mas os preços na Finlândia não sobem assim, não… Talvez tenha ficado um cadinho mais caro, mas no geral eu diria que é a mesma coisa. Olha, para você ter uma ideia, o passe mensal para o ônibus em Tampere para estudantes hoje (janeiro 2013) custa 32 euros. Quando eu estava lá, era 33! Claro que transporte público pode ser uma exceção e o preço pode ter baixado como parte de uma política pública para gerir a crise econômica…

      Mas como não tenho certeza, deixo a pergunta em aberto para quem mora na Finlândia responder!

      Grande abraço!
      Maira

  5. Mariane says:

    Olá. Eu sei que este post é de 2009 e você já comentou aqui, mas mesmo assim resolvi fazer essa pergunta pois estou um pouco preocupada com o custo de vida. Estou tentando um programa de intecâmbio no qual receberei 870 euros por mês para despesas básicas (aluguel, alimentação, despesas pessoais, etc). Gostaria de saber se dá para se manter razoavelmente com esse valor. Não sou de ficar saindo muito, sou bem caseira, não fico gastando dinheiro à toa, sou bem econômica até. O meu medo, é que vejo muitas pessoas dizendo que a Finlandia é um dos países mais caros para se viver. Tenho medo de passar alguma necessidade só com esses 870 euros.

    • maira says:

      Oi Mariane,
      olha, você vai precisar ser bem espartana nas despesas, e possivelmente vai ter que dividir apartamento com outras pessoas, mas 870 euros deve dar sim para viver por lá sem passar necessidade. O seguro-desemprego da Finlândia é de 600 euros e o pessoal sobrevive… Mas tenha em mente que viajar, jantar fora e sair para beber (que é o que sai mais caro, pelo menos em minha opinião) serão atividades que você vai ter que fazer bem pouco para não ultrapassar o orçamento. Mas 870 para aluguel + transporte + supermercado (especialmente se você fizer suas compras no Lidl) + telefone/internet é suficiente sim. Vai tranquila 🙂
      Abraço!

  6. Camilla says:

    Olá,

    Eu sempre tive vontade de ir morar na Finlândia um dia, de procurar oportunidades de estudo ou trabalho. Desde o ano passado comecei a fazer aulas para aprender a falar finlandês aqui no Rio de Janeiro, onde moro. Nunca tive coragem de seguir esse sonho porque achava que podia não dar certo mas de um tempo para cá, resolvi esquecer esse medo e investir nessa empreitada.
    Estou com uma viagem marcada para a Finlândia agora em Maio para passar 10 dias. Tenho lido muito o seu blog que tem me ajudado bastante com dicas. Quero conhecer um pouco do país e tentar pesquisar e me inteirar sobre as oportunidades de estudo. Quero MUITO ir morar lá.
    Me informei na Embaixada da Finlândia em Brasília que turistas podem permanecer na Finlândia por 3 meses sem visto.
    O que é necessário para ir estudar lá? tenho que comprovar algo?

    Obrigada!

    Camilla

    • Adão Figueira says:

      Ola! chamo-me Adão e estou querendo ir fazer universidade na Finlândia e estou procurando por mais dicas de como devo fazer para conseguir ir la, qualquer dica gostari de receber pelo meu e-mail: adambackvocal@hotmail

  7. Marina Meyer says:

    Ufa !

    Finalmente eu consegui ter uma real noção dos gastos que eu terei .. é a primeira vez que eu vejo um post que fala sobre preço dos alojamentos e mercado por exemplo. Pretendo mudar para Helsinki no próximo ano. E ainda não tinha noção real do custo de vida. Estou bem mais animada. Obrigada pelas informações.

    Bom flor, se não for pedir muito. Eu quero adiantar os documentos do visto pois odeio deixar tudo para ultima hora, afinal, eu sei como as coisas funcionam no Brasil.
    É possível conseguir uma carta de admissão mesmo fora do prazo de incrições ?
    Se souber me responder ficarei imensamente agradecida.

    Att,

  8. Marina Meyer says:

    Admissão em uma Universidade Finlandesa**

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *